2
No crédito à habitação, saiba as alternativas para a subida dos juros

1. Amortizar crédito:
Reduzir a prestação – Para quem conseguiu poupar algum dinheiro, amortizar o crédito à habitação pode ser uma alternativa. Diminuir a dívida do empréstimo permite aliviar o orçamento familiar –  já que se consegue obter prestações mensais mais baixas – e também fazer frente à previsível subida das taxas de juro. Mas nem tudo são vantagens. Os bancos cobram uma comissão por esta operação: 0,5% sobre o capital pago num crédito de taxa variável, e 2% se o financiamento for a taxa fixa. Precisa, no entanto, de respeitar algumas regras: é necessário avisar sete dias úteis antes do pagamento da próxima prestação, no caso das amortizações parciais; no caso de a amortização ser total, terá de avisar a instituição financeira 10 dias úteis antes de a concretizar. Antes de decidir faça muito bem as contas para ver se compensa ou não.

2. Fixar a taxa de juro
Evitar surpresas – Optar por fixar a taxa de juro do crédito à habitação é outra solução para não se ser afectado pela subida das taxas de juro. Os clientes conseguem assim evitar surpresas desagradáveis – já que os créditos com taxa variável estão sempre dependentes da evolução das Euribor a que estão indexados –, sabendo sempre com que prestação contam no final do mês. Desta forma é possível ter uma mensalidade estável durante um determinado período, com a média a rondar os cinco anos. Não se esqueça de que é sempre “um tiro no escuro”, pois uma das razões que levam as pessoas a optar por créditos de taxa fixa é esperarem uma subida das taxas Euribor no futuro. Se isso acontecer, o cliente fica a ganhar. Caso contrário, fica a pagar mais. Por norma, o spread praticado pelos bancos é igual independentemente da modalidade escolhida.

Fonte: isabe.ionline.pt

Se achou este artigo interessante, adicione-o aos seus "Social bookmarks"

2 Respostas

  1. Ainda compensa fixar a taxa de juro do credito?

  2. casasapo diz:

    Aconselhamos que fale directamente com o seu banco uma vez que não existe uma resposta “certa” que possa ser generalizada. As implicações na alteração das taxas têm implicações a médio/longo prazo, pelo que os diferentes cenários deverão ser devidamente analisados.

Deixe-nos a sua opinião